Postado em 8 de novembro de 2018
 Categoria Saúde

A alimentação e a nutrição inadequadas são classificadas como a segunda causa de câncer que pode ser prevenida. São responsáveis por até 20% dos casos de câncer nos países em desenvolvimento, como o Brasil, e por aproximadamente 35% das mortes pela doença. Confira aqui como ter uma alimentação saudável durante o tratamento de câncer.

Uma alimentação rica em frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, e pobre em alimentos ultra processados, como aqueles prontos para consumo ou prontos para aquecer e bebidas açucaradas, podem prevenir de 3 a 4 milhões de casos novos de câncer a cada ano no mundo.

A cada ano, cerca de 8,8 milhões de pessoas morrem de câncer. A doença é responsável por uma em cada seis mortes no mundo.
O número de pessoas que desenvolvem tumores malignos também cresce a cada ano: cerca de 14 milhões têm câncer, e esse número deve subir para mais de 21 milhões até 2030, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).
Um dos principais agravantes, segundo a OMS, é que muitas vezes a doença é diagnosticada tarde. Quanto mais avançado o estágio do câncer estiver, mais difícil é o tratamento.

Existem, no entanto, fatores que contribuem para o desenvolvimento do câncer — e comportamentos que podem prevenir a doença. O câncer é multifatorial, ou seja, ele não se desenvolve por apenas um motivo.

Caso a população adotasse uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física, mantendo o peso corporal adequado, aproximadamente um em cada cinco casos dos tipos de câncer mais comuns poderiam ser evitados. Ou seja, para cada 100 pessoas com câncer, 22 casos poderiam ser prevenidos.

Após o tratamento, pessoas que tiveram diagnóstico de câncer, incluindo àquelas livre da doença, também devem seguir essas recomendações. Cuidar da alimentação, praticar atividade física e buscar manter o peso adequado é essencial para recuperar a saúde, prevenir o retorno da doença e o desenvolvimento de outro tipo de câncer.

A Nutrição é o processo que consiste na absorção e utilização dos nutrientes dos alimentos ingeridos para a realização das funções vitais do organismo. Uma boa nutrição é fundamental para uma boa saúde.

Comer determinados tipos de alimentos antes, durante e depois do tratamento do câncer, ajuda a fortalecer o organismo, fazendo com que o paciente se sinta melhor e mais disposto. Uma dieta saudável significa comer e beber alimentos que contenham nutrientes importantes que o corpo precisa, para seu funcionamento, como vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos, gorduras e água.

Uma boa alimentação pode ajudar não só à manutenção de um corpo saudável, como também pode minimizar os efeitos colaterais durante e após o tratamento.

Se você não souber como manter uma dieta equilibrada, uma boa ideia é procurar um profissional para orientá-lo. O nutricionista faz parte da equipe multidisciplinar que atua no tratamento do paciente com câncer.

nutrição

O câncer e seus tratamentos podem provocar efeitos colaterais que afetam a nutrição

Os sintomas da doença junto com os efeitos colaterais dos tratamentos, acabam dificultando a realização de uma dieta saudável. Quimioterapia, hormonioterapia, radioterapia, cirurgia, imunoterapia e o transplante de medula óssea são terapias frequentemente utilizadas no tratamento do câncer e que afetam a nutrição dos pacientes.

Quando a cabeça e o pescoço e órgãos como esôfago, estômago, intestino, pâncreas ou fígado são afetados pela doença e pelos os efeitos colaterais do tratamento do câncer, acaba se tornando difícil a absorção de nutrientes suficientes para a preservação das funções do organismo do paciente.

O câncer e seus tratamentos podem provocar desnutrição

O câncer e seus tratamentos podem afetar o paladar, o olfato, o apetite e a capacidade do paciente de se alimentar ou absorver os nutrientes dos alimentos. Isso pode, consequentemente, causar desnutrição, que é provocada pela falta dos nutrientes essenciais.

A desnutrição pode fazer com que o paciente se sinta fraco, cansado e se torne incapaz de combater as infecções e, em alguns casos, de realizar e concluir o tratamento do câncer. Sabe-se que a desnutrição pode contribuir com a progressão da doença.

Anorexia e caquexia: causas comuns da desnutrição em pacientes com câncer

Anorexia é a perda de apetite ou da vontade de comer, é um distúrbio alimentar que provoca a perda de peso acima do que é considerado saudável para a idade e altura. A anorexia é sintoma comum em pacientes com câncer, podendo se manifestar já no início da doença, ou conforme a doença avança e se dissemina. É a causa mais comum de desnutrição em pacientes com câncer.

Caquexia se caracteriza pela perda de peso do paciente, além da perda de massa corpórea e tecido adiposo, normalmente relacionada a doenças crônicas, como o câncer. Na caquexia a massa corporal não pode ser reposta com alimentação. No entanto, alguns pacientes até conseguem se alimentar corretamente, mas não conseguem armazenar gordura nem manter massa muscular devido à doença.

Alguns tipos de câncer mudam a maneira como o corpo absorve determinados nutrientes. Tumores na região do estômago, intestino, cabeça e pescoço podem afetar a absorção de proteínas, carboidratos e gorduras pelo organismo. Um paciente pode estar se alimentando bem, porém o corpo não consegue absorver corretamente os nutrientes necessários dos alimentos.

Durante tratamento oncológico, alguns pacientes deverão receber nutrição especializada, caso não consigam ingerir a quantidade de alimentos e nutrientes que é necessária para a manutenção do peso corporal e do metabolismo como um todo.

Alguns pacientes necessitarão de nutrição parenteral, a qual é administrada por via endovenosa, especialmente quando o tubo digestivo não pode ser utilizado e a alimentação via oral esteja contraindicada.

A nutrição enteral pode ser realizada por meio de suplementos via oral, para atingir e complementar as necessidades diárias de calorias dos pacientes e quando o suplemento via oral associada a alimentação não atinge a meta prevista para manutenção do status nutricional, devemos utilizar a nutrição enteral via sonda nasoenteral.

Os pacientes com alteração da deglutição ou comprometimento da cavidade oral e garganta também se beneficiam com a nutrição via sonda.

O objetivo da nutrição é evitar a sarcopenia (perda massa muscular) associada ao tratamento oncológico e fortalecer os pacientes para que se mantenham aptos para continuarem seus tratamentos.

Enfatizamos a necessidade de abordagem multidisciplinar – enfermagem, fonoaudiologia, nutrição, farmácia e equipe médica para estabelecer qual a melhor via de alimentação e as necessidades diárias de cada paciente e acompanhamento nutricional rigoroso, para evitarmos as complicações relacionadas a desnutrição.

Dr. Marcelo Ferreira
CRM-PR 17776
Cirurgião Oncologista e Mastologista

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

WhatsApp